• Friday , 22 September 2017

Depressão na infância e adolescência

trsiteza1-web

Relatório recente da Organização Mundial da Saúde revela que a depressão é a principal causa de doença e de inaptidão entre os adolescentes com idades entre 10 e 19 anos. O documento destaca que os três principais motivos de morte no mundo nesta faixa etária são os acidentes de trânsito, a Aids e o suicídio. Para elaborar o documento, a organização utilizou dados fornecidos por 109 países.

Em 2012, 1,3 milhão de adolescentes morreram no mundo. Os problemas relacionados aos jovens incluem tabagismo, o consumo de drogas e bebidas alcoólicas, os transtornos mentais, a nutrição, a sexualidade e a violência.

Ainda segundo a agência das Nações Unidas, estima-se que mais de 350 milhões de pessoas no mundo sofrem de depressão. Até 2030, a doença afetará mais pessoas do que qualquer outro problema de saúde, incluindo câncer e doenças cardíacas.

Conheça os principais sintomas da depressão

Os números preocupantes se confirmam também no II Levantamento de Álcool e Drogas – LENAD. A avaliação, realizada pelo INPAD (Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas) da UNIFESP (Universidade Federal de São Paulo), estima que 21,2% da população de jovens possui  indicadores de depressão.

A análise teve foco na população de adolescentes e jovens adultos com idade entre 14 e 25 anos, com a preocupação de obter dados que representassem nacionalmente a população de maior risco, na faixa dos 14 aos 17 anos. Foram realizadas 1742 entrevistas.

gráfico-depressãoSe o suicídio já é reconhecidamente um problema de saúde pública mundial, a questão fica ainda mais relevante quando se trata desta faixa etária, mais vulnerável para a sua ocorrência.

Pelo menos 5% dos jovens declararam já terem feito alguma tentativa de suicídio ao longo da vida. Pouco menos de 1 em cada 10 adolescentes e jovens já pensaram em tirar a própria vida em algum momento.

gráfico-suicídio

Como e quando buscar ajuda

Segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria somente nas duas últimas décadas a depressão infantil foi levada a sério. A criança deprimida pode fingir estar doente, recusar-se a ir à escola, se agarrar num dos pais ou se preocupar por achar que o pai vai morrer. Crianças maiores podem ficar mal humoradas, ter problemas na escola, mostrarem-se negativas, resmungonas e sentirem-se incompreendidas.

Como os comportamentos normais variam de um estágio da infância para outro, pode ser difícil dizer se a criança está apenas passando por uma “fase” temporária ou está com depressão. Neste caso, a ABP recomenda primeiro uma consulta com o pediatra, para afastar sintomas físicos. Não havendo nada de errado, o médico deve sugerir que a criança seja avaliada, de preferência, por um psiquiatra especializado.

Quer contribuir com este texto ou indicar locais de atendimento e rede de apoio? Comente aqui ou mande um e-mail para contato@anonimosnodiva.com.br

Leia também:
INPAD  – Instituto Nacional de Políticas Públicas do Álcool e Outras Drogas http://inpad.org.br/
Associação Brasileira de Psiquiatria
Canal Fiocruz http://www.canal.fiocruz.br/destaque/index.php?id=722

Fontes:
ABP Comunidade
Globo.com
Veja Online
Portal BBC

Posts Relacionados

Deixe um comentário